Cientistas descobrem e caracterizam três subtipos de Alzheimer

Cientistas descobrem e caracterizam três subtipos de Alzheimer

Uma equipa de investigadores da Escola de Medicina Icahn da Universidade Monte Sinai, nos Estados Unidos, identificou três subtipos moleculares da doença de Alzheimer, aquela que é uma das formas mais comuns de demência.

O novo estudo publicado no Science Advances e divulgado na revista Galileu, aumenta assim o entendimento sobre a patologia degenerativa do cérebro e pode contribuir para a criação de tratamentos personalizados mais eficazes.
 
Segundo os investigadores, o Alzheimer pode ter manifestações biológicas e patológicas bastante díspares nos doentes. Exemplificando, se por um lado em determinados indivíduos o deterioramento cerebral é moroso, por outro lado, noutros é significativamente célere. Entretanto, enquanto uns têm perda acentuada de memória e são incapazes de adquirir novos conhecimentos, outros não apresentam esses sintomas. E existem ainda doentes que sofrem de psicose e/ou depressão associada à patologia.
 
"Essas diferenças sugerem fortemente que existem subtipos de doença de Alzheimer com diferentes factores biológicos e moleculares que impulsionam a progressão da doença", diz Bin Zhang, líder do estudo, num comunicado emitido à imprensa.

A análise foi realizada tendo como base dados de sequenciamento de RNA. Uma molécula similar ao ADN que codifica as instruções para a produção de proteínas.
 
Conforme explica à Galileu, de modo a detectar os subtipos moleculares do Alzheimer, os investigadores utilizaram um modelo computacional para identificar conexões entre as variedades distintas de RNA, as características clínicas e patológicas e outros factores biológicos que possivelmente exponenciam a evolução e agravamento da doença. Os cientistas tiveram em conta os dados de sequenciamento de mais de 1.500 amostras de cinco zonas do cérebro de centenas de pacientes que morreram com e sem demência.
 
Foram, então, detectados os três principais subtipos moleculares da doença que revelaram ser independentes da faixa etária e do estágio da condição. Sendo que esses subtipos correspondem a combinações distintas de várias vias biológicas desequilibradas que estimulam a degeneração cerebral.
 
O intrincado neurofibrilar de tau e a placa beta-amiloide, duas marcas neuropatológicas do Alzheimer, apresentavam, por exemplo, valores significativamente mais elevados apenas em alguns tipos da condição.
 
De acordo com os investigadores, mais de 50% dos cérebros analisados não demonstraram uma subida da resposta imunológica, comparativamente a cérebros saudáveis. Tendo a análise registado a existência de condutores moleculares específicos do subtipo na evolução do Alzheimer nas amostras.
 
Mais ainda, explica à Galileu, a pesquisa detectou a correspondência entre essas versões da patologia com modelos animais utilizados em estudos. O que, segundo os especialistas, pode explicar em parte porque é que a vasta maioria dos fármacos bem sucedidos em certas espécies de ratos falhou em testes realizados em seres humanos.
 
"Essas descobertas estabelecem uma base para determinar biomarcadores mais eficazes para a previsão precoce da doença de Alzheimer, estudar os mecanismos causais do Alzheimer, desenvolver terapias de próxima geração para a doença e projetar ensaios clínicos mais eficazes e direcionados, levando à medicina de precisão", acrescentou Zhang.
 

in noticiasaominuto.com

 

Notícias Relacionadas

"Riscos para a saúde". DGS alerta para massa de ar do Norte de África que está a afetar Portugal

"Riscos para a saúde". DGS alerta para massa de ar do Norte de África que está a afetar Portugal

Uma massa de ar do Norte de África está a provocar uma "fraca qualidade do ar no continente",...

Dia Mundial do Combate à Tuberculose: Luta contra a doença recua 12 anos com a pandemia

Dia Mundial do Combate à Tuberculose: Luta contra a doença recua 12 anos com a pandemia

Doze meses de pandemia inverteram 12 anos de progresso global contra a tuberculose, pior do que o...

Mesmo sem diabetes, infetados com alto nível de açúcar no sangue pioram

Mesmo sem diabetes, infetados com alto nível de açúcar no sangue pioram

De acordo com um novo estudo do Centro Médico da Universidade do Estado de Nova Iorque (SUNY), que...