COVID-19: Antiviral

COVID-19: Antiviral Acelera Eliminação do SARS-COV-2 em Doentes Não Hospitalizados

Um medicamento antiviral ainda em fase experimental pode acelerar a eliminação do novo coronavírus em doentes não hospitalizados, contribuindo para evitar a disseminação da covid-19 na comunidade, concluiu um estudo clínico desenvolvido no Canadá.

A investigação liderada pela University Health Network (UHN), em Toronto, publicada no boletim científico Lancet Respiratory Medicine, chegou à conclusão de que o tratamento com o antiviral peginterferon-lambda permitiu às pessoas infetadas eliminarem o coronavírus SARS-CoV-2 mais rapidamente, apresentando melhores resultados nos doentes que tinham cargas virais mais elevadas.

Os casos com maior carga viral estão associados a uma situação potencial de doença mais grave e a um maior risco de transmissão do SARS-CoV-2 a outras pessoas.

De acordo com o estudo, os pacientes que receberam uma única injeção do peginterferon-lambda, desenvolvido para o tratamento da hepatite viral, apresentaram quatro vezes mais hipóteses de curar a infeção num período de apenas sete dias, quando comparados com o grupo que recebeu um placebo.
Os investigadores defendem que este tratamento antiviral pode assumir uma função importante para tratar doentes infetados e, ao mesmo tempo, ajudar a conter a disseminação do SARS-CoV-2.

"Este tratamento apresenta um grande potencial terapêutico, especialmente neste momento, em que várias variantes agressivas do coronavírus estão a espalhar-se pelo mundo, sendo menos sensíveis às vacinas e ao tratamento com anticorpos", salientou Jordan Feld, codiretor do centro de investigação hepática Schwartz Reisman, da UHN.

Segundo o investigador, o grupo de pessoas que foi tratado com este antiviral mostrou uma “tendência de melhoria mais rápida dos sintomas respiratórios”.

“Se pudermos diminuir o nível de carga do vírus rapidamente, as pessoas têm menos probabilidade de espalhar a infeção a outras e até podemos ser capazes de encurtar o tempo necessário para o auto-isolamento”, salientou Jordan Feld.

A 'interferon-lambda' é uma proteína produzida pelo organismo humano, como resposta a infeções virais, que apresenta a capacidade de ativar várias vias celulares para eliminar os vírus invasores.

O novo coronavírus impede que o corpo produza esta proteína, evitando, desta forma, que seja controlado pelo sistema imunológico da pessoa infetada.

Na prática, o tratamento com 'interferon-lambda' ativou as mesmas vias de eliminação de vírus nas células, concluiu o estudo da UHN.

O antiviral peginterferon-lambda usado neste estudo é uma versão de ação prolongada de um medicamento desenvolvido pela Eiger BioPharmaceuticals, que pode ser administrado como uma única injeção sob a pele, num procedimento semelhança à insulina.

Este estudo realizado em Toronto, entre maio e novembro de 2020, envolveu um universo de 60 participantes, 30 dos quais receberam o antiviral, enquanto aos restantes foi administrado um placebo.

Segundo a UHN, face aos resultados obtidos, está a ser planeada a fase 3 desta investigação que deverá arrancar em breve.

Paralelamente, estão a decorrer outras investigações sobre a utilização do peginterferon-lambda em pacientes hospitalizados e em locais onde pode ser usado para prevenir infeções, a cargo das universidades de Toronto, Harvard e Johns Hopkins.

 

in lusa.pt

Notícias Relacionadas

"Riscos para a saúde". DGS alerta para massa de ar do Norte de África que está a afetar Portugal

"Riscos para a saúde". DGS alerta para massa de ar do Norte de África que está a afetar Portugal

Uma massa de ar do Norte de África está a provocar uma "fraca qualidade do ar no continente",...

Dia Mundial do Combate à Tuberculose: Luta contra a doença recua 12 anos com a pandemia

Dia Mundial do Combate à Tuberculose: Luta contra a doença recua 12 anos com a pandemia

Doze meses de pandemia inverteram 12 anos de progresso global contra a tuberculose, pior do que o...

Mesmo sem diabetes, infetados com alto nível de açúcar no sangue pioram

Mesmo sem diabetes, infetados com alto nível de açúcar no sangue pioram

De acordo com um novo estudo do Centro Médico da Universidade do Estado de Nova Iorque (SUNY), que...